Os segredos do sucesso para as perfumarias on-line

A digitalização do varejo e a busca por jornadas de compra omnichannel foram aceleradas com a chegada do novo Coronavírus e trazem oportunidades para essas lojas

A pandemia pela Covid-19 levou ao fechamento de comércios e serviços não essenciais em todo o Brasil e trouxe a necessidade de adoção de estratégias para garantir a estabilidade financeira dos negócios, obrigando estabelecimentos a se digitalizarem.

Mas se engana quem pensa que esse movimento é apenas um modismo. A digitalização do varejo veio para ficar e as perfumarias precisam se adaptar a esse novo momento.

“As lojas devem ter uma estratégia clara de canal e de atuação. É necessário olhar para o consumidor, colocando-o no centro da decisão, avaliando todos os pontos de contato e como você se posiciona em cada um deles. Isso envolve ter uma estratégia integrada, nas plataformas online e off-line, pois isso gera mais consistência entre a promessa e a entrega e, consequentemente, mais valor para o cliente”, explica a diretora da Connect Shopper e consultora de varejo e consultora de shopper marketing, Fátima Merlin.

Por isso, a perfumaria deve avaliar em sua estratégia suas possiblidades e recursos (financeiro, equipe, tempo, etc), logística, atendimento ao cliente e custo-benefício para escolher a melhor forma de venda e o que mais se encaixa no seu negócio.

“Cada vez mais o shopper deve estar no centro das decisões. A definição da estratégica do mix, quais produtos serão vendidos em cada canal, precificação, rapidez e praticidade na logística – fator ainda mais relevante no on-line – devem ser contemplados na sua gestão. Facilitar o processo de atração, conversão e compra, além de cuidar de todas as frentes, são questões que devem ser pensadas através de uma visão 360º. A palavra de ordem hoje não é mais trabalhar plataformas diversas de maneira desagregada e, sim, a evolução para o ambiente omnichannel, que é atuar de maneira integrada, onde quer que o cliente esteja, da forma e no momento que ele deseja, cuidando de cada detalhe”, pontua Fátima.

Além disso, não é preciso necessariamente ter um e-commerce para começar suas vendas on-line. As redes sociais, como é o caso do Instagram, o Facebook e o WhatsApp, já fornecem opções comerciais para realizar vendas por meio dessas plataformas.