Busca por hidratantes aumenta 30% no inverno

Assim como as altas temperaturas, quando os termômetros batem graus abaixo da média, o corpo sente. A pele torna-se mais áspera, menos hidratada e pode apresentar lesões e doenças cutâneas. “Durante o inverno, a pele tem a tendência de ficar mais ressecada, tanto pelo fato da umidade relativa do ar estar diminuída, como pelo aumento da temperatura do banho. Esses são dois motivos pelos quais a hidratação deve ser mais intensa nesta época do ano.

De acordo com o coordenador do departamento de oncologia cutânea da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Dr. Pedro Dantas, a hidratação correta é importante para que a pele mantenha suas funções e aparência. Uma pele desidratada, além do aspecto estético mais enrugado, pode aumentar o risco de infecções, ficar mais frágil e até dificultar o controle da temperatura do corpo.

“Os hidratantes apresentam diversas consistências, que variam de gel a loção e são apresentados em cremes ou pomadas. Têm diversos componentes, como ácido hialurônico, ureia, pantenol, silicone, entre outros, que melhoram a hidratação e a proteção da pele. Já os óleos corporais têm as propriedades de formar uma camada que reduz a perda de água e deixar a pele com toque mais aveludado”, esclarece a clínica geral do Hospital Santa Catarina, Dra. Thais Hissami Inoue Lima.

Infinidade de apresentações

A orientação correta sobre a escolha do hidratante passa, necessariamente, pelo estudo do tipo de pele do consumidor. Se a cútis é oleosa, os produtos em forma de loções ou com toque mais seco são mais indicados para o corpo e em forma de gel ou oil-free, para o rosto. Já quem sofre com pele seca deve usar cremes mais espessos, os que tenham manteiga ou óleos na composição ou balms.



Foto: Shutterstock