Foco nos produtos naturais, veganos e orgânicos

Testes em animais, ingredientes que não se sabe pronunciar o nome e fórmulas agressivas ao corpo ou ao meio ambiente saíram de moda e deram lugar a produtos mais conscientes

Na hora da compra, o consumidor, cada vez mais, se atenta com a origem dos produtos, procurando saber não só se a produção é sustentável, como também se os ingredientes da fórmula são menos agressivos à saúde e à natureza e se agentes naturais são utilizados.

Na categoria de cabelos, por exemplo, essa tendência começou aproximadamente em 2012, com o No Poo ou Loo Poo (em português, sem xampu ou pouco xampu) e, mais recentemente, vem ganhando mais adeptos e fazendo as marcas se adequarem. O conceito incentiva as pessoas a lavarem os cabelos apenas com água, ou com xampus que não contenham sulfatos, parabenos, petrolatos, sal e outros ingredientes químicos prejudiciais à saúde dos fios.

O mesmo movimento pode ser observado na indústria de cosméticos, com artigos destinados à limpeza, maquiagem e aos cuidados com a pele, que vêm abandonando o uso de conservantes e corantes artificiais e optando por embalagens de materiais alternativos ao plástico.

Dados da consultoria de tendências WGSN, mostram que a Geração Z – composta por nascidos entre 1995 e 2010 – acredita que pode mudar o mundo por meio dos seus hábitos de consumo e não se importa de pagar um pouco mais por produtos e experiências de marcas que estejam alinhadas a maneiras de produção sustentáveis em termos ambientais e sociais.

De acordo com a pesquisa Greens is the New Black, de 2019, da Nielsen, 42% dos consumidores brasileiros estão mudando seus hábitos de consumo para reduzir o impacto no meio ambiente e 30% dos entrevistados estão atentos aos ingredientes que compõem os produtos. Além disso, a mesma pesquisa mostra que 58% dos brasileiros não adquirem artigos de empresas que realizam testes em animais; e 65% não compram de companhias associadas ao trabalho escravo.

Já a pesquisa Environment Research 2019, realizada pela Tetra Pak, mostrou que no País, 93% dos consumidores consideram marcas com embalagens ambientalmente responsáveis no momento de decisão de compra e 73% acreditam que a mudança de hábito se dá pensando nas futuras gerações.